segunda-feira, janeiro 26, 2004

Féher



Um futebolista na flor da idade e da carreira morreu devido a uma complicação cardíaca surgida num relvado de um dos novos estádios. O drama, vivido em directo, foi das coisas mais impressionantes que vi enquanto, naqueles longos momentos, Féher não dava nenhum sinal de vida. O desespero era claro naqueles que de perto assistiam à situação. O horror, a incredulidade, o choro, tudo fez parte de um instante que, desejamos todos, nunca mais se volte a repetir em lado nenhum e em tempo algum.
Não sei se era possível fazer mais, em termos médicos, por Féher; não sei se a ambulância podia e devia ter sido mais rápida; não sei se existiam todos os aparelhos necessários para evitar as consequências de situações deste género. Não sei porque não sou perito nem estava lá para avaliar. Mas sei que morreu um futebolista de 24 anos de um ataque fulminante que pelos vistos não é detectado por exames regulares e completos. E isso dá-nos que pensar.