terça-feira, fevereiro 17, 2004

Santana Lopes

Santana Lopes quer à força ser candidato à Presidência da República. Toda a gente já o percebeu. Para isso multiplica-se numa sucessão de acontecimentos que culminaram numa entrevista dada ao Expresso neste fim-de-semana, onde, entre outras coisas, se diz preparado para, vejam lá a modéstia do rapaz, ser candidato a Presidente da República.
Eu já gostei mais do Dr. Santana. E penso que o Prof. Marcelo também, como ficou provado no no domingo à noite, quando, na sua habitual rubrica, se entreteu a classificar o Dr. Santana, entre outras coisas, de irreponsável, de imaturo e de inconsequente.
Detesto indivíduos que nunca estão satisfeitos com aquilo que têm e que vivem para dar nas vistas e sorrir para a comunicação social, falando de ar e de vento, coisa em que o Dr. Santana é perito. Aliás, quem o conhece dos congressos do PSD em que ele é eterno candidato, já sabe o que a casa gasta: muito sorriso, muita lágrima, mas ideias, nenhuma ou quase nenhuma. Projecto político, idem aspas. Talvez uns túneis, mas isso não conta.
O Dr. Barroso tem, pois, um sério problema em mãos a somar ao enorme problema que é a coligação neste momento: nem o Prof. Cavaco avança (e satisfaz toda a gente à direita com excepção do Dr. Portas, do Dr. Santana e de mais um ou outro infiltrado) nem o Dr. Pedro almoça (para azar da esquerda, do Eng. Guterres e dos seus apaniguados).