terça-feira, junho 29, 2004

13- Outro problema de difícil solução prende-se com o rumo das principais políticas do actual governo. Com Santana, com qualquer outro primeiro-ministro, o caminho até agora traçado muda completamente em áreas tão cruciais como as Finanças, os Negócios Estrangeiros e relativamente à própria Europa. Em relação a este último aspecto nenhum dos protagonistas da pseudo nova aliança se compromete: quer Santana quer Portas não são conhecidos pelos seus amores europeus e nenhum deles abdica do discurso nacionalista serôdio que o caracteriza. Em tudo o resto, a tendência seria implementar políticas de facilitismo uma vez que a distância até às próximas eleições já é curta e precisa de medidas populares. As verdadeiras consequências? Mais tarde se verá.