segunda-feira, junho 28, 2004

4- Pelos vistos, não há timings perfeitos em política. O problema de Barroso é muito mais profundo do que parece. Por causa dele, do seu abandono para um cargo de prestígio europeu que se compreende no plano pessoal e no plano político, o PSD pode abrir uma guerra interna problemática que pode deitar por terra muito do trabalho até aqui feito e que pode fazer o país entrar numa deriva populista – com Santana e Portas ao leme, se o Presidente aceitar a nova indigitação – ou no caos da esquerda – se forem necessárias novas eleições e o Sr. Louçã, mais os seus apaniguados, conjuntamente com os incompetentes que acompanham o Dr. Ferro, chegarem ao Governo. Como se vê nenhuma das soluções me parece agradável. Ou sequer recomendável.