segunda-feira, junho 28, 2004

6- A maior injustiça que pode trazer uma nova eleição tem a ver com o beneficiar do infractor. Ou seja, depois do regabofe e do estado lastimoso em que o PS deixou o país e as suas contas públicas, seria de todo injusto, numa altura em que se fala numa eventual retoma e de um maior equilíbrio financeiro da coisa, dar de bandeja ao adversário aquilo que tanto custou a endireitar. Nestas coisas sou da opinião que não se deve entregar o ouro ao bandido porque não tenhamos dúvidas: neste momento particularmente difícil, qualquer eleição antecipada seria maléfica para o PSD e catastrófica para o PP (caso concorresse sozinho). Defendo ainda que as legislaturas devem, em nome da estabilidade, ir até ao fim. O caso de Guterres foi diferente: foi o próprio PS que não quis indicar novo nome.