segunda-feira, junho 28, 2004

Reflexões políticas

1- A crise política que se avizinha é um teste de fogo à democracia portuguesa porque está em cima da mesa a possibilidade de Santana Lopes ser primeiro-ministro de Portugal. Uma coisa é certa: as mesmas razões que supostamente impedem (no plano da legitimidade) Santana Lopes de assumir a governação do país são exactamente as mesmas em qualquer outro. Isto quer dizer que, tirando Durão Barroso que foi a eleições, que deu a cara pelo partido e que apresentou um projecto, mais ninguém dentro do PSD tem legitimidade perante os portugueses para assumir as suas actuais funções. Nem Ferreira Leite, nem Marques Mendes, nem Marcelo Rebelo de Sousa, nem Dias Loureiro: nenhum deles foi efectivamente a eleições.