quinta-feira, agosto 26, 2004

O Barco do Aborto I

Sinceramente, dizer que o barco do aborto vem a convite de organizacoes femininistas e lesbicas e dize-lo com tamanho desprezo so demonstra o extremo populismo das tuas afirmacoes. O teu, tambem lider, Paulo Portas, com tiques de ditador Castrista, o tal Castro que tu julgas ser comunista e comer criancinhas ao pequeno almoco, diz que o debate nao devera ocorrer. Um contra-senso num pais que se diz democratico... A questao do aborto e tambem e acima de tudo uma questao de saude publica como tal devera ser debatida sempre, em Agosto ou Dezembro, nao importa quando pois ha muitos portugueses nao politicos (porque os ha, sabias?) que nao estao de ferias ‘parlamentares’ e quererao talvez que a discussao salte para a praca publica. O aborto e tambem uma questao social. Espelha o deficit de educacao sexual nas escolas, de educacao sexual familiar e, mais grave, espelha a deficiente estruturacao e rede de gabinetes de planeamento familiar. Infelizmente espelha tambem a ignorancia, a rudeza dos portugueses que se armam de pudor e de conceitos religiosamente informados para falarem de sexo.
O barco do aborto tem salvo vidas de mulheres que se tivessem ido faze-lo a um vao de escada se arriscariam a ficar estereis, a sofrerem de outras complicacoes graves, ou ate a morrerem. Talvez tu aches que isso sera apenas a consequencia dos seus actos e que quem semeia ventos colhe tempestades. No entanto, quem semeia tais ventos nao sao as mulheres... E ja agora, eu que nao sou ‘Bloquista’ faco aqui um Ave ao Bloco que incansavelmente tem trazido esta questao a praca publica. Para que nao esta habituado a democracias plenas, e para isso que os partidos servem: para representarem os interesses dos cidadaos. Em certas ilhas ha quem chama a isto ‘exploracao mediatica e extemporanea de assuntos problematicos’. Ok...