quarta-feira, setembro 15, 2004

O ridículo

O Eng. Rui Alves, personagem do imaginário madeirense, veio a público, depois de três jogadores seus terem sido presos em consequência de uma rixa com as autoridades, acusar a polícia de perseguir o seu clube por motivos obscuros.
A teoria é simples de deduzir, mesmo que ele não a diga com todas as letras: a polícia persegue o Nacional porque assim beneficia, indirectamente, o Marítimo, seu rival (nas contas dele, como é óbvio) de sempre. Desconheço quem dá estes conselhos ao engenheiro ou mesmo se eles resultam de profunda e sentida reflexão. Desconheço também até que ponto se pode descer no ridículo. Mas já pouco me espanta nos homens porque eles continuam a conseguir descer. Apesar de tudo, desde que o Dr. Ferro do PS garantiu que o seu envolvimento na cabala da Casa Pia podia ter origem nos EUA (leram bem, nos EUA) que não me ria tanto.