sexta-feira, setembro 10, 2004

Presunções

O Dr. Soares filho, candidato a secretário-geral do PS defende que a experiência autárquica é fundamental para se poder assumir, com uma visão mais global e incisiva, responsabilidades governativas. Este é um dos argumentos que utiliza para justificar o porquê de ele ser melhor que os restantes para liderar os destinos do PS e, quiçá, do país (isto claro se entretanto toda a gente enlouquecer). A sua teoria apoia-se no exemplo francês que, aliás, é sempre muito usado, aparentemente com muito sucesso, entre os nossos socialistas.
Eu não sei em que país vive o Dr. Soares, mas não estou a ver que utilidade teria para o governo a experiência autárquica de gente como o Sr. Avelino de Canavezes, a Dra. Fátima de Felgueiras, a Dra. Edite de Sintra, o Dr. Judas de Cascais, o Dr. Menezes de Gaia ou o inefável e incasável Sr. Narciso de Matosinhos (embora este por lá tenha andado efemeramente). Tal como não estou a ver que tipo de mais-valia trouxe o Dr. Lopes ao país. Por que é que com o Dr. Soares isso seria diferente?