segunda-feira, dezembro 20, 2004

O voto útil

Uma das vantagens eminentes da não existência da coligação, é o facto de deixar de fazer sentido o voto útil no PS. Com isso podem beneficiar o PCP e o Bloco de Esquerda, os partidos pequenos da esquerda.
Se PSD e PP concorressem coligados, a imagem política seria a de um centro-direita unido que era imperioso combater e assim derrotar. O voto no PS seria, por arrasto, uma necessidade evidente que prejudicaria os partidos mais pequenos. Agora deixa de o ser. Não é de excluir que tenha havido por parte da coligação uma orientação no sentido de evitar isso mesmo. Não nos podemos esquecer que as coisas em política muitas vezes não são o que parecem.
Assim, o PS terá de enfrentar 4 adversários aguerridos que lutarão sempre por conquistar quota do seu eleitorado. Isto quer dizer que é preciso muito cuidado com as sondagens porque não reflectem por vezes a verdade momentânea das coisas e porque geralmente não passam de instrumentos ao serviço de causas estranhas à própria vontade dos portugueses com o intuito claro de manipulação. É por isso que não acredito em maiorias absolutas e muito menos em vencedores antecipados. Sócrates que se cuide. Não terá a vida facilitada.