quarta-feira, fevereiro 23, 2005

Delírios matinais

O DN de cá do burgo dedicou, nas suas duas últimas edições, boa parte do seu tempo a fantasias eleitorais e à extrapolação dos resultados do passado fim-de-semana no que à Madeira diz respeito. Ontem, aplicou os resultados da noite de domingo e transformou-os, imagine-se, em supostos resultados de eleições regionais. Ou seja, o que teria acontecido ao PSD/Madeira se se tivesse verificado, em Outubro passado, o resultado que se verificou nestas eleições? Nada de complicado. Tudo muito simples. Porque de acordo com o exercício, meramente especulativo e de base exclusivamente aritmética, o PSD ficaria com a sua actual maioria absoluta presa por apenas dois deputados, o que no entender do DN parece ser muito significativo e razão para fazer notícia. Hoje o mesmo processo aplicou-se às autarquias madeirenses. Conclusões mais ou menos semelhantes. Chegou-se ao cúmulo de imaginar coligações (como se uma coligação fosse uma mera soma de votos de dois ou mais partidos) de esquerda capazes de derrubar, por exemplo, o poder do PSD no Funchal. Perante o delírio, estamos explicados quanto às intenções, esforçadas, de tentar dar a volta ao texto e procurar vitórias morais reconfortantes que coloquem a oposição por cima e o PSD por baixo. Mas a realidade é indesmentível e um facto estatístico incontornável: o PS teve na Madeira o seu pior resultado no todo nacional e o PSD o seu melhor. E é isto que se quer omitir e, confortavelmente, sonegar.