segunda-feira, fevereiro 14, 2005

O PND 3ª parte

Os tempos de antena do PND estão povoados de mães casadas que se apresentam assim mesmo: como mães casadas. E com um ar de quem nunca pecou nem por actos, pensamentos ou mesmo omissões. Gente séria como se vê: um mar de virtudes na sociedade hedionda em que vivemos onde o pecado grassa em todas as esquinas e que urge combater. “Olá, eu sou a Luísa, tenho 35 anos, sou casada e tenha 3 filhos e voto no PND porque…” é uma espécie de grito de guerra que garante que este ser humano apoia o partido do Manel. Mau grado a política de campanha que é escolhida à medida pelas cúpulas partidárias, gostaria de perguntar ao PND qual é o objectivo de tratar a mulher sempre como um objecto sem vontade própria. E já agora se pretendem adicionar à campanha o Joaquim, com toda a certeza um belo protótipo da Nova Democracia: “Olá, eu sou o Joaquim, sou engenheiro, tenho 53 anos, 11 filhos todos machos e 4 netos e não deixo a minha mulher trabalhar porque homem que é macho não deixa a sua esposa andar por aí a ser alvo de piropos dos tipos das obras ou dos empregados de escritório.”