segunda-feira, fevereiro 21, 2005

A sondagem. As sondagens

O efeito das sondagens, que deixavam o PS no limiar da maioria absoluta, teve o resultado desejado pelos seus patrocinadores. Estar no limiar, implicava um quase que era um quase tudo, que significava, como é evidente, um esforço final. Com a sondagem favorável, ou no ponto certo, o eleitorado do PS mobilizou-se e beneficiou de longe José Sócrates, também conhecido por choque tecnológico, nome da única ideia, ainda assim muito mal explicada, que foi capaz de apresentar ao país. Um verdadeiro cheque em branco, como se vê. Há pouco tempo atrás, em Outubro de 2004, na Madeira, uma sondagem assassina teve um efeito contrário: de acordo com uma projecção meio manhosa (também chamada de sondagem), o DN dava uma esmagadora maioria de 62% ao PSD contra 20% do PS, isto na sexta-feira antes da eleição. O resultado final esteve muito longe da projecção avançada: 53% para o PSD e 29% para o PS. Aqui, o efeito da sondagem também teve o resultado desejado pelos seus patrocinadores.