terça-feira, maio 10, 2005

Moralização

Pode parecer obsessão da minha parte mas o P.S.D continua a ser matéria de inspiração, até para alguém desinspirado. Não há como ignorar.
Passou incólume em quase toda a comunicação social, um facto a que O público dedicou meia página: Alberto João Jardim e a sua trupe de mafiosos querem levantar a imunidade parlamentar a um deputado regional do P.S, para que se lhe possa ser movido um processo por difamação. O difamado não é senão o próprio Alberto João que se esquivou, várias vezes com o argumento da imunidade conferida por um cargo político, a diversas tentativas de o levar á barra do tribunal.
Mais do que escandalosa, a atitude do “Soba” da Madeira só comprova o que se repete até à exaustão: não há ninguém capaz de por cobro ás alarvidades e trafulhices que o presidente e seus caciques têm praticado, com a subserviência e conivência do P.S.D. nacional.
Depois temos o Valentim, a Damasceno, o Isaltino e toda a máfia que os apoia: construtores civis, presidentes de clubes de futebol, lambe botas diversos, que vivem á custa de expedientes. Se fosse na Madeira eram logo todos reconduzidos como candidatos, e os mafiosos brindados com jantaradas de apoio aos amigalhaços. Ainda assim, Marques Mendes tem agido com alguma firmeza procurando “moralizar” e dar crédito ao seu partido, depois da chafurdice dos últimos meses, excepção feita ao P.S.D ilhéu, é claro.
Se o conseguir só lhe fica bem, ainda que isso lhe custe a derrota certa nas autárquicas.

Ps – Suponho que na Madeira nem meia página tenha sido dedicada ao assunto que referi, e também suponho que Marques Mendes não vá longe… mas isto sou eu a supor.