terça-feira, maio 24, 2005

Nada muda, nada mudou

Parménides acertou: nada muda. É a lógica da repetição da história e dos seus movimentos cíclicos. É também por isso que Camilo e Eça, a esta distância, e como alguém recentemente notava, são hoje tão actuais como o foram no século XIX.