segunda-feira, julho 04, 2005

O Sr. Vieira

No seu insistente périplo pelo país, o Sr. Vieira do Benfica vai alimentando uma espécie de fantasia só possível, e praticável, por se aproveitar desse enigmático mundo do futebol e da gente ignorante que por lá abunda. O Sr. Vieira, personagem ainda hoje muito estranha e ambígua, está convencido que o Benfica pode tornar-se num clube de topo a nível mundial num curto espaço de tempo. Ele apoia-se na recente conquista do campeonato, numa campanha que quer atingir os 300 mil sócios e em discursos inflamados que visam inimigos imaginários. Já não vale a diligência. Criar ilusões para manter vivo um “gigante” há muito decadente, é uma manifesta ousadia que um dia lhe sairá caro. Por enquanto, o Sr. Vieira vai disfarçando a fragilidade e desorientação com a ridícula conquista de um campeonato atípico, ainda para mais convenientemente adornada por uma efusiva campanha popular. Mas na época que se avizinha, e presente numa Liga dos Campeões altamente competitiva arbitrada pelos melhores da Europa, sem qualquer espaço para falhas e sem pressões do Sr. Veiga (outro personagem de um filme de terror), o Sr. Vieira vai perceber porque é que o Benfica (tal como todos os outros clubes portugueses) não passa de uma nulidade evidente na Europa do futebol e porque é que os seus jogadores, para além de esforçados, são, na sua grande maioria, medíocres.

PS: Zenden, jogador mediano que foi dado como reforço do Benfica várias vezes, vai assinar pelo Liverpool, pondo fim a mais uma novela alimentada pelo Sr. Vieira e pelos jornais que adoram enganar papalvos.
Se houvesse um índice que medisse a quantidade de asneiras que saem nos jornais, não havia quem batesse os jornais desportivos.