quinta-feira, dezembro 29, 2005

O que seria se o Superman fosse africano...

"O regresso do Super-Homen, ao grande ecrã, está marcado para o mês de Junho de 2006. A Warner Bros já revelou que Brandon Routh vai ser o actor que irá substituir o falecido Christopher Reeve. As gravações já começaram, na Austrália, e o facto de o actor, de 26 anos, ter o órgão sexual grande de mais está a causar problemas aos produtores do filme. Segundo o site Entertainment Wise, como o fato do Super-Homem é muito justo ao corpo, os produtores estão a pensar em usar tecnologia digital para suavizar o pénis de Brandon".

Jornal Tribuna de Macau

sexta-feira, dezembro 23, 2005

barcos gregos

O país anda distraído com as presidenciais, cuja campanha tem um nível ligeiramente mais elevado do que os reality shows da TVI. Sócrates deve estar satisfeito. Entretanto as estatísticas, imperiais, vão dando mostras do percurso da nossa modernização. Portugal nunca deixou de ser um país de emigrantes. O facto de agora recebermos muita gente parece ter ocultado essa permanência. A emigração voltou, no entanto, a crescer. Não se trata de uma emigração qualificada, mas a mesma de sempre, a da pobreza, originária em grande parte da região norte do país.
Cantavam os Xutos, no auge da sua criatividade: "Já estou farto de procurar Um sítio para me encaixar Mas não pode ser Está tudo cheio, tão cheio, cheio, cheio Mas o que é que eu vou fazer Eu vou para longe, para muito longe Fazer-me ao mar, num dia negro Vou embarcar, num barco grego Falta-me o ar, falta-me emprego Para cá ficar Já estou farto de descobrir Tantas portas por abrir Mas não pode ser, é tudo feio, tão feio, feio Mas o que é que eu vou fazer"

domingo, dezembro 18, 2005

Clubite II

O escândalo continua. Mais uma vez, de forma desassombrada, sem o respeito devido a uma centenária instituição, o Benfica foi dramaticamente prejudicado pela arbitragem. O sistema não dorme, as suas forças trabalham nas trevas. Penalties contei dois. E a conta é feita por baixo, que é para não haver dúvidas. Mas o mais trágico foi mesmo o lance do golo do Benfica. Foi visível, para toda a gente, que o nosso jogador Luisão foi brutalmente agredido pelo guarda redes da equipa adversária. Reparem com justiça na imagem e observem o modo como a fronha ameaçadora e peluda do guarda-redes daquele clube brasileiro da Madeira embateu com violência desmesurada no braço terno e honesto de Luisão, provocando-lhe inúmeras contusões que lhe podem ficar para o resto da vida (consta que o homem nem dormiu bem esta noite e que se levantou às 3.25 da manhã para escrever o testamento não vá, como se espera, a situação piorar). Perante esta barbaridade, que fez o juiz? Nada. Deixou a jogada decorrer até ao fim e nada. Já não digo que irradiassem o homem do Nacional do futebol, mas pelo menos que o suspendessem por uns anos. Mas não; nem um amarelo levou. Com estes exemplos não se admirem que as crianças de hoje se tornem os terroristas de amanhã, que se expludam em estações de comboios e que ponham etnias inteiras em câmaras de gás. Uma vergonha.

Clubite I

Um dos grandes problemas da esquerda portuguesa é a clubite. A clubite, como fenómeno global, manifesta-se por várias razões. É útil para manter relações pessoais. Partilham-se conhecimentos e opiniões, alimentam-se inúmeras discussões, perde-se tempo, reforça-se espírito de grupo, ganha-se sentido de vida pelo reconhecimento do adversário (sem o qual a vida era bastante mais aborrecida). Quase que é possível dizer que a clubite à esquerda é uma espécie de estilo de vida, organizado tribalmente. Mas há outro lado, bastante mais trágico. A clubite política, como as clubites em geral, é quase sempre irmã do desconhecimento, da imparcialidade, da incapacidade de fazer propostas e de discernir quem são os verdadeiros adversários e quais os seus métodos. Sobretudo em relação à elaboração de propostas, algo que exige uma análise do real - e dá trabalho e actualização - a clubite é cega. A clubite não é outra coisa senão a imagem da incapacidade. Num contexto da pequena política, a opinão da clubite não é, por vezes, falha de razão, conseguindo fazer críticas acertadas e justas. Mas a esquerda não pode continuar a entreter-se com a pequena política. Não é apenas uma questão de justeza, é uma questão de opções. Mas é a esquerda que vamos tendo.

quinta-feira, dezembro 15, 2005

Mais um debate

Era o debate presidencial entre os candidatos da área ideológica com que mais me identifico, e, à priori, mais uma boa oportunidade para os dois candidatos esgrimirem perícias. Todavia, o que ressalta evidente no final de mais uma jornada de debates, à imagem das jornadas anteriores deste campeonato presidencial, continua a ser a distorção sobre a suposta importância decisiva da eleição que se avizinha para o futuro do país e dos portugueses.
Quanto mais realce se dá à audição dos candidatos, mais se constata à ilharga a impotência que mesmo uma figura central de topo de um país está votada, tal como se configura a actual organização económica, social e simbólica do planeta. Tal impotência não é determinada pelo asséptico modelo de debate, mas pelas visíveis mãos atadas de todos os candidatos, uns mais presos a crenças doutrinárias vetustas do que outros, perante o destino e o presente que lhes foge e não conseguirão controlar.
Esse presente é o presente dos fluxos. Os fluxos de capital, fluxos da informação, fluxos da tecnologia, fluxos de imagens, sons e símbolos. Mais do que um elemento integrante da nossa organização social, esses fluxos são a expressão dos processos que dominam a nossa vida económica, social e política.
Num presente marcado pelos circuitos electrónicos (microelectrónica, telecomunicações, processamento computacional, sistemas de transmissão e transporte em alta velocidade), onde os lugares não desaparecem, mas a sua lógica e o seu significado são absorvidos em rede, rede essa que conecta lugares específicos com características sociais, culturais, físicas e funcionais bem-definidas, através de cidades globais, são as elites globais que dominam.
O problema é que a articulação de tais elites é global e são essas elites que por intermédio da rede constituída pelos sistemas de processos da economia global, especialmente os do sistema financeiro, que estabecelem e reorganizam as práticas sociais dominantes. Perante este espaço de fluxos, não há Presidente da República que consiga ter poder e autonomia para impor vontades e futuros para os cidadãos do seu país.
Quem não se ligar aos nós de ligação dessa rede e não conseguir que os seus interesses sejam representados dentro da estrutura desse espaço de fluxos bem pode debater incessantemente, que o seu futuro não será deveras risonho....

quarta-feira, dezembro 07, 2005

DN 07-12-005: Barroso perde o ponto

Num artigo publicado hoje no DN, José Manuel Barroso procura desconstruir a influência laica dos Estados Europeus reabilitando, por assim dizer, a influência do Cristianismo no Velho Continente. Infelizmente Barroso perde o ponto porque confunde duas coisas importantes: filosofia ou fundamentos filosóficos com religião e práticas religiosas. A influência helênica sobre a constituição da sociedade Europeia tal como a conhecemos hoje nunca foi confundida com a religião helênica, centrada nos 12 deuses do Olímpio e no Panteão dos demônios e heróis. Do mesmo modo, não deverão ser confundidos os princípios filosóficos do cristianismo com a decorrente prática religiosa. Estas duas influências convergiram fundamentalmente na emergência do raciocínio dedutivo e da(s) Lei(s). Estes dois elementos, ironicamente, foram fundamentais para a própria construção de uma Europa laica.

terça-feira, dezembro 06, 2005

Os poderes do presidente

Não sendo propriamente o incrível Hulk, nem o Homem-Aranha, nem tão pouco o Batman ou o Super-Homem, o presidente português tem os poderes que lhe são consagrados pela Constituição. A coisa é tão clara que a discussão nacional sobre o assunto, que nenhum jornalista se coíbe de introduzir em debates e entrevistas, é inútil. O presidente não pode legislar, não tem governo, ministérios nem secretarias de estado. Não gere orçamentos. Pode vetar leis, enviá-las para o Tribunal Constitucional. Em caso disso, e este disso é avaliação relativamente subjectiva, pode dissolver o Parlamento. Pode fazer comunicações ao país, reunir com o governo, partidos, sindicatos, igrejas, etc. Pode fazer "presidências abertas". Mais do que tudo, tem um poderoso poder de intervenção mediática, o que lhe garante uma influência eleitoral considerável, isto, claro, se aquilo que disser não for apenas percebido por 5% dos portugueses, como foi timbre das intervenções públicas do actual titular do cargo. Nesta campanha eleitoral, se algum dos candidatos dá a sua opinião sobre uma questão concreta: o desemprego, o défice, a segurança social, logo lhe perguntam se isso não é matéria de governo? É, no sentido da execução legislativa, não o é, porque um presidente tem que ter ideias sobre as matérias que preocupam o país, tendo inclusivé o dever de as expressar.

segunda-feira, dezembro 05, 2005

O Juíz decidiu, tá decidido

Depois da celeuma no ano transacto levantada o Ministério Público (MP) do Tribunal Judicial de Viseu arquivou o processo de inquérito à exposição do livro polémico - "As mulheres não gostam de foder" - na montra da livraria das Edições Polvo, em Viseu.
No despacho de arquivamento, o procurador do MP, além de alegar a inexistência de matéria para sustentar uma eventual irregularidade, lamenta a controvérsia que surgiu em torno do ensaio sexual em banda desenhada, do espanhol Alvarez Rabo, admitindo que, se porventura o autor da obra tivesse o peso e a importância literária de um Lobo Antunes (que escreveu "Os cus de Judas") ou Miguel Esteves Cardoso (que editou "O amor é fodido"), a contestação não teria tido lugar.
Depois disto fica a sugestão aos livreiros das Edições Polvo: Colocar na montra da livraria as três obras em exibição lado a lado.

domingo, dezembro 04, 2005

Outra vez

No prosseguimento de justas análises sobre o momento futebolístico português que têm brindado aqui o nosso espaço de conversa, venho protestar pelos acontecimentos desta jornada. Mais uma vez, as forças negras e ímpias que há muito dominam o futebol português congeminaram ardilosamente para prejudicar o glorioso SLB. Quem beneficiou com tal empresa? Os mais directos e históricos adversários do clube da águia. Senão vejamos: ao Sporting foi-lhe perdoado pelo menos um penalty, além de ter sofrido um golo limpo que foi mal anulado. No jogo do F.C. Porto, a mesma coisa: perdoaram-lhe um clara grande penalidade e o valoroso adversário dos dragões marcou um belo tento prontamente anulado pelas forças ocultas. Isto é, em vez de ganharmos três pontos aos directos adversários só conquistamos 2, depois da vitória contra aquele clube brasileiro do Funchal. Um escândalo.