quarta-feira, março 31, 2004

O ministro Arnaut

Tem-se vindo a assistir, com alguma frequência, à colagem de alguns epítetos jocosos ao ministro adjunto do Primeiro Ministro. Inclusivamente, um jornal satírico chegou já a sugerir a privatização de tal ministro em prol do bem comum.
Tais críticas mordazes ao ministro Arnaut, todavia, mais não são do que atoardas injustas e aviltantes das qualidades íntelectuais do ministro.
A prová-lo está ontem o episódio atinente ao cenário de possível greve no Seviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) durante o Euro 2004.
Instado a comentar este hipotético cenário pelos jornalistas, o ministro desenvolveu uma discurso fértil que excedeu as expectativas de todos, mesmo aqueles que por vezes são mais cépticos acerca do dom da palavra com que o ministro Arnaut foi bafejado.
Para poderem comprovar o que digo, eis a recomposição da entrevista:
Jornalista:
- Sr. Ministro, que comentário lhe oferece a possibilidade da existência de uma greve por parte do SEF durante o Euro 2004?
Ministro Arnaut:
- Não acredito que nenhum português queira aproveitar-se do Euro 2004 para prejudicar a imagem do seu país.
Jornalista:
- Considera que a segurança pode estar em risco caso a greve se confirme?
Ministro Arnaut:
- Não acredito que nenhum português queira aproveitar-se do Euro 2004 para prejudicar a imagem do seu país.
Jornalista:
- No entanto, se esta intenção dos inspectores do SEF for avante, que medidas tomará o Governo?
Ministro Arnaut:
- Não acredito que nenhum português queira aproveitar-se do Euro 2004 para prejudicar a imagem do seu país.
Jornalista:
- Os ministros da Administração Interna da União Europeia já manifestaram a
sua preocupação com os efeitos da eventual greve. Quer comentar?
Ministro Arnaut:
- Não acredito que nenhum português queira aproveitar-se do Euro 2004 para prejudicar a imagem do seu país.

... e com estas considerações tão profícuas sobre a matéria, os jornalistas renderam-se às evidências e desistiram de lhe colocar mais questões.
Um verdadeiro senador da palavra!


terça-feira, março 30, 2004

Lucidez

Um alto dirigente da comunidade guineense estabelecido em Portugal escreveu uma carta a José Saramago desmonstrando a sua total discordância com a tese apresentada por este este autor no seu último livro. Para este representante dos guineenses votar em branco não é a solução para o regime democrático mas o seu maior problema.

Funchal Século XXI


Vista sobre a Marina, o Teatro Municipal e o Jardim Municipal in Sítio da CMF


Vista nocturna sobre o Funchal in Sítio da CMF

segunda-feira, março 29, 2004

Posts divertidos

A variante humorística do nosso blog está a crescer incomensuravelmente. É divertida a afirmação que vai no sentido de defender que alguém a quem não foi provado alguma coisa, embora também não tinha sido provado o contrário, pode bombardear e invadir um país. Reparem que o precedente justifica tudo, especialmente porque na descoberta desta prova são aqueles que bombardeiam que impõem os critérios e não, como se notou, os representantes das Nações Unidas. Muito democrático e justo. Diga-se que são estes justiceiros que possuem o maior arsenal de armas de destruição maciça do mundo.
Outra afirmação divertida sugere que os defensores do mundo livre também invadiram por outras razões: o apoio do Iraque ao terrorismo e o tratamento desumano que sofria o povo iraquiano. A última, então, é de um tipo se atirar para o chão de tanto rir. Talvez valesse a pena fazer uma lista de governos que tratam a sua população de forma desumana, mas nunca mais saiamos daqui. Os americanos sempre se estiveram nas tintas e ainda contibuiram, em muitas casos, note-se o exemplo óbvio da América Latina, na perpetuação de ditaduras sanguinárias. Quanto ao terrorismo já percebemos que de agora em diante vai servir para tudo. Recordem-se que o Estado Novo também chamava aos movimentos de libertação das colónias movimentos terroristas. Adiante.
Independentemente do que se pense do apoio de partidos políticos portugueses a determinados regimes deve distinguir-se o apoio de um partido minoritário, da participação concreta e militar de um governo que representa um país. É absolutamente diferente.
Muito, mas muito divertida é a acusação à comunicação social esquerdista que domina o país. Muito divertido. Assim de repente estou-me a lembrar desse revolucionário chamado Luis Delgado, um homem que é capaz de jurar a pés juntos que a história da soldado Lynch, violada por dez batalhões iraquianos, é realmente verdadeira.
Por último, lembrar que as FP 25 de Abril não devem ser confundidas com a esquerda. Ninguém neste nosso blog, seja de esquerda ou direito, alguma vez se identificou com as FPs. Mas recordemo-nos que este país é brando a julgar pessoas e no meio de tanto brandura, os FP's foram dos que levaram mais. Quando comparados com os torcionários da Pide que sobreviveram praticamente incólumes à revolução podemos perceber as diferenças. Por outro lado, não há nenhum FP 25 a ocupar um cargo importante neste país. O mesmo não se pode dizer de outros bombistas, de direita claro, que vão ocupando alegremente os seus cargos autárquicos.

La France

"Derrota Histórica da Direita Francesa nas Eleições Regionais "

Depois disto assolam-se várias dúvidas na minha mente para justificar este resultado eleitoral. Avanço com algumas hipóteses para explicar o sucedido:
1ª hipótese: Foi mais uma vitória dos terroristas, como aconteceu em Espanha.
2ª hipótese: Foi um voto de protesto contra o facto da França não ter alinhado com o "Mundo Livre" na invasão e saque do Iraque.
3ª Hipótese: Foi um voto de protesto para um Governo que tem sistematicamente obliterado direitos sociais ao povo francês ao longo da sua legislatura.
4ª Hipótese: Os líderes regionais franceses de direita tiveram uma actuação política miserável neste último mandato.
...
Neste momento confesso que estou mais inclinado para aceitar como mais válidas as duas primeiras hipóteses.
Parecem-me ser as mais razoáveis...

sexta-feira, março 26, 2004

Sobre o desejo

Quanto àqueles que desejam ardentemente que uma bomba expluda (à boa maneira das FP-25 de Abril, esses bravos combatentes pela liberdade, verdadeiros assassinos que nunca cumpriram pena) relembro que às vezes podem estar a incentivar que ela apareça mesmo. É que há tanto louco por aí, que nada me espantaria ver um anarquista a colocar uma bomba no galinheiro mais próximo para depois toda a gente andar a dizer que a culpa foi do Dr. Barroso e do Dr. Portas e do apoio ao pateta do Sr. Bush. Nesta esquerda já nada me espanta.

Sobre as frustrações

Frustrações da esquerda
- estava à espera que os americanos plantassem as armas no Iraque para finalmente legitimarem a sua intervenção. Tal não aconteceu. Essa táctica de guerrilha é mais vezeira de outros regimes e de outros pensamentos políticos para quem a manipulação dos meios (principalmente das massas e da comunicação social esquerdista instalada no burgo para quem ser intelectual é ser de esquerda) justifica os fins;
- estava à espera de “um milhão de mortos” e de uma catástrofe humanitária sem precedentes. Também não aconteceu.
- estava à espera que o povo iraquiano ficasse pior, mas, pasme-se, o povo, que aos poucos vai perdendo o medo, até já diz que está a viver melhor;

Sobre as responsabilidades

Esperemos que não tenhamos um dia que pedir responsabilidades ao Dr. Carvalhas pela sua subserviência a um regime decrépito que entre outras coisas manda matar o delito de opinião. Esperemos que não tenhamos um dia que pedir responsabilidades ao Dr. Bernardino pela sua subserviência para com um regime que mata à fome um terço da sua população. And so on, and so on....

Sobre a Guerra ilegal e sobre as provas

Relembro, aos mais distraídos, que o ónus da prova estava do lado do Iraque, país que desde 1991 violava sistematicamente as resoluções da ONU. Caberia aos iraquianos provar que não tinham armas e não o contrário. E desde cedo que se tentou inverter esse papel: fazer dos americanos os responsáveis por encontrar as ADM. Só que a não cooperação do Iraque presumiu um forte indício de culpa que aliás veio a ser confirmado pelo próprio Relatório Blix . Este relatório, ao contrário da poluição levantada, diz muito claramente e por várias vezes que há informação, classificada, por quem elaborou o relatório (o próprio Blix, portanto), como em falta, inexacta, insuficiente, incompleta e ainda que as informações prestadas pelo Iraque são omissas, inconsistentes, discrepantes, contraditórias ou imbuídas de explicação improvável (“not specific”, “insufficient”, “concealed”, “incomplete”, “unverifiable” e ainda “omissions”, “inconsistencies”, “discrepancies”, “improbable explanations”). Quem quiser ler que leia e tire as suas ilações.
Contudo é ainda errado dizer que as armas eram o único argumento para a invasão. Havia ainda outras duas preocupações centrais: o apoio ao terrorismo e o tratamento criminoso dado ao povo iraquiano, aspectos que ao longo do tempo foram sendo interessantemente esquecidos na comunicação social ocupada em proteger um ditador marxista (se fosse o Milosevic...). Estes dois aspectos estão a ser parcialmente conseguidos. Mas há falta de prova inequívoca (e relembro que o ónus estava do lado iraquiano) valia a força do argumento. E o argumento indiciava que era muito provável que Saddam tivesse as tais armas. E o ditador não se preocupou lá muito em provar o contrário.

quinta-feira, março 25, 2004

Entretanto ... algures nas Beiras

Carlos Horácio, que nos pediu para não revelarmos a sua verdadeira identidade, embora possamos afirmar que realmente se chama Vasco Palouro das Neves, está a ultimar um post há 280 dias: "Ponho a vírgula ou não ponho a vírgula. Bolas que trabalheira."

Já é oficial

Um tal de Eleutério César Rodrigues, bloguista confesso, chegou hoje ao extraordinário número de 1854 posts não publicados batendo, deste modo, um record que já lhe pertencia. Parabéns para o homem mais virtual do espaço virtual.

O MESSIAS

Anuncia-se o salvador. Geneticistas afirmam que não há quaisquer dúvidas: o Benfica vai de certeza ser campeão em 2024. Nasceu o neto do Eusébio.

Ainda sobre o terrorismo

O argumento, várias vezes repetido entre os adeptos da intervenção militar no Iraque, de que o desfecho das eleições em Espanha foi uma vitória do terrorismo é desprezível. Têm razão ainda, apesar de entretanto terem sido acusados de demagogia, todos aqueles que responsabilizam os governos ocidentais que participaram na guerra por qualquer dano infligindo sobre populações civis dos seus países. Sim, são eles os responsáveis. Esperemos que não tenhamos um dia que pedir responsabilidades ao Dr. Durão pela sua subserviência. Fez escândalo a afirmação do Dr. Soares quando sugeriu que se deve procurar negociar com os terroristas. O Dr. Portas veio logo vociferar: é impossível negociar com terroristas. O Dr. Portas e o Dr. Barroso colocaram o nosso país ao lado de nações que invadem fora do direito internacional, que desrespeitam resoluções das Nações Unidas, que bombarderam e mataram muito mais dos que os terroristas de que fala o Dr. Portas tão horrorizado. São estes os nossos aliados, que agem tão impunemente que nem a preocupação têm de inventar umas quaisquer armas de destruição maciça para legitimar os seus actos. Se em muitos países da Europa se começa a sentir o medo na rua, se vivemos cada vez numa paranóia securitária, devemo-lo aos «defensores da liberdade». Não é demagogia afirmar isto, é simplesmente a verdade.
O chamado fundamentalismo islâmico nasceu da miséria e da opressão, de vidas deploráveis que as mesquitas acabaram por proteger. Em troca das mínimas condições de vida, que os Estados corruptos e os invasores estrangeiros nunca quiseram dar, estes evangelistas do corão mais ortodoxo pedem a entrega das almas. O ódio do ocidente gera mais ódio, a modernização já muito evidente em países como o Irão é posta em causa pela política dos Estados Unidos e dos seus acólitos. Não podemos cair no erro de olhar para estes indivíduos e considerá-los uns loucos irracionais. Eles são muito racionais, sabem perfeitamente o que querem. Os terroristas não são marcianos, encarnações do mal, são pessoas e as suas acções, obviamente condenáveis, têm causas. São essas causas que têm que ser interrogadas.
Mas claro que que a força interna de um império exige um inimigo, nem que ele tenha que ser inventado. E depois da Al-Qaeda? Quando é que a América se vira mais para a Oriente?

quarta-feira, março 24, 2004

A Muralha Romana de Viseu

No início deste mês, na sequência das obras de requalificação da Rua Formosa, no centro de Viseu, foi descoberto um troço da muralha romana que delimitava a cidade, que, segundo os arqueólogos, remonta ao século IV.
Descrita pela responsável do Instituto Português de Arqueologia como «muito bem conservada, com grande pedras aparelhadas e muito bem sobrepostas», o aparecimento deste troço da muralha permitiu aos arqueólogos descobrir o traçado dum presumível torreão adossado à muralha e situar para já duas torres associadas, uma quadrangular e outra circular. (http://arqueoblogo.blogspot.com)
Entretanto, instado a pronunciar-se sobre o destino a dar à muralha, se ficará ou não à vista, uma vez que se trata de uma zona classificada, o IPPAR enviou dois técnicos de Coimbra até Viseu para darem o seu parecer.
Na reacção imediata para os órgãos de comunicação social os dois técnicos, não obstante a importância da descoberta, considerada o maior achado arqueológico das últimas décadas da cidade de Viseu, opinaram que a solução sugerida pelos arqueólogos para a musealização da muralha (a colocação de um vidro no chão que permitisse ver a muralha) era muito onerosa, sem contudo precisarem os custos dessa solução, e que o melhor seria enterrá-la...
Face às reacções negativas de diversos especialistas e mesmo de parte da população, que se mostrou entusiasmada com a descoberta da muralha e com a luz que ela trará ao conhecimento da História da sua cidade, o IPPAR vem agora dizer em parecer que os trabalhos de escavação devem prosseguir e que o destino a atribuir à muralha romana continua em aberto.
Ora aqui está uma decisão bem mais sensata e razoável!
Se, de facto, o testemunho encontrado se reveste de importância tão grande (considerada pelos arqueólogos como uma raridade em Portugal) para o conhecimento das origens e evolução da cidade de Viseu, ele não se compagina com decisões tomadas no imediato e sem qualquer suporte de legitimação como fizeram aqueles dois técnicos na semana passada.
Afinal de contas, os viseenses, principalmente, mas também aqueles que demandam a cidade, têm direito a conhecer o legado histórico do local onde nasceram e vivem.

segunda-feira, março 22, 2004

BOMBA

Esquadra da GNR: algures a caminho da Covilhã

-Tô? Olhe é só para lhe dizer que nós acabamos de colocar umas quantas bombas na linha da Covilhã. Prontos... Também não há-de vir daí mal ao mundo porque sempre é uma linha do interior... Morrem pouquitos e os que forem serão velhotes com certeza...

-Xinhe, Xinhe... Olhi, um mumuentu que eu bou xó aqui cunfirmar uma coizita...

[soldado da GNR faz uma ligação para a estação de comboios da Covilhã de um segundo telefone]
-Tôeh? Ó Ramalho tú bota aí o teu pesscosço pela jênêla fora e diz-mi se bês por aí algum pacoti?

-Bou a bêr.............................. Nãum! Antão porquei? Alguém deixou aqui alguma coiza?

-Nâum carago.. Tenho este c##lho aqui ao telefone a dizeri que bão botar umas bombas ou lá qué issso... O tipo debe pensar que eu sõ burro. Antão pois se ele fala português... Os terroristas xão todos arábicos, antão num é?

-Poizé! Falum arábico, lá isso é berdade!

-Prontozz. Obrigadinhoz!

[retoma a chamada anterior]
-Tôeh! Pois ainda benhe que está aí. Olhe lá... Bocê pença que eu num tenho mais nada pra fazeri! Bocê num xabe que ao inbés de eu estar aqui a falar cunsigo pudia estar a ir atráz dos arábicos mesmo à séria. Beja-se se ganha juízo... Num quer ir trabalhar é o que é... Depois diz que botou bombas! É por ixo que este país num bai pra frenti! Ninguém quer fazer nenhumhé. Tenha bergonha home, tenha bergonha!

BUM BUM BUM BUM BUM BUM BUM BUM BUM BUM BUM BUM BUM BUM BUM

NOTA: O Governo não dá credibilidade às ameaças de bomba baseado nas informações das suas forças policias.

AO MESMO TEMPO.....

Algures num gabinete de estado: Catherine Deneuve (vulgo PP) diverte-se com o seu novo submarino em miniatura...

Algures em São Bento: Barroso liga a Berlusconi para este último lhe indicar a equipe médica que lhe fez o lifting. Finalmente Barroso está a pensar em fazer algo ao seu nariz... Se bem que só se sinta mesmo mal com ele (o nariz pontiagudo, entenda-se) quando o PP o olha fixamente...

O Islão e a Modernidade

Na semana passada o Marçal relembrou aqui, a propósito das saudosas aulas do Moisés Espírito Santo, a questão da ruptura que o Islão efectuou com a modernidade, no que concerne ao campo científico, teológico e cultural, a partir do século XII.
Este fim de semana deu-me para rever um livro muito interessante do Moisés, de seu nome "Introdução Sociológica ao Islão", onde ele retrata muito bem esse processo evolutivo de anatemização da modernidade pelo Islão, concomitante da perda de influência do Chiismo em prol do Sunismo.
Passo a citar um excerto exemplificativo:
"A imposição da Suna do Profeta, nos séculos XI e XII, pelos dogmas repressivos da inteligência foi uma regressão à religião da tribo que o mundo islâmico não corrigirá sem algumas catástrofes.
Aceitando o Islão como ele nos vem do século XII:
- com a regra da interpretação literal que eliminou a interpretação alegórica;
- com o fecho da reflexão;
- com o dogma da irresponsabilidade individual;
- com a proibição de "perguntar como";
- com o pecado da inovação;
a razão do Islão está hoje do lado dos fundamentalistas".

sexta-feira, março 19, 2004

ATENTADOS

RECEBI ESTE E-MAIL. INFELIZMENTE NAO SE SABE AO CERTO QUEM E O AUTOR. DESDE JA GOSTARIA DE DIZER QUE NAO E NENHUM DOS PATOS. MAS DADO A RELEVANCIA DO E-MAIL, AQUI VAI!

Por Alá
Aconselhamos todos os filhos de Maomé a não tentarem qualquer atentado
em Portugal. É um país complicado. Uma acção nossa dificilmente traria
algum proveito para a nossa Sagrada Causa.

1 - Nenhum atentado por nós tentado teria resultados mais espectaculares no congestionamento do tráfego ferroviário do que aquele conseguido pela própria CP.

2 - É difícil planear um atentado em comboios e autocarros. Nunca se consegue saber a que horas passam nem sequer os dias em que circulam, devido às greves constantes.

3 - A reivindicação do atentado seria de uma inutilidade extrema. A oposição portuguesa iria imediatamente culpar o ministro da Administração Interna, o secretário de Estado dos Transportes e as empresas transportadoras. Qualquer alegação da nossa parte seria recebida com desdém pelo Bloco de Esquerda. "Al-Qaeda? 'Teja calado, caralho. 'Tá-se me'mo a ver c'a culpa é dos cabrões das empresas capitalistas e do governo que lhes apara o jogo. Fazem tudo
para poupar uns trocos. Isto é de certeza uns motores mal amanhados que compraram na Coreia do Sul, de uma fábrica que deixou aqui centenas no desemprego. É o que lhe digo, amigo, a globalização fode isto tudo. Al-Qaeda... Tenha juízo, pazinho."

4 - Alertamos também para a dificuldade de organizar uma acção como a de Madrid. Em Portugal, mal um de vocês deixasse uma mochila no comboio, logo um simpático português correria atrás de vocês a gritar "Ó chefe, chefe, esqueceu-se do seu saco, amigo." E depois pensaria para si mesmo: "Sacana do monhé ainda faz má cara. Vem um gajo aqui de manhãzinha, descansadinho da vida e ainda tem de ser criado desta estrangeirada toda."

5 - Não será fácil mobilizar o povo contra a presença de tropas portuguesas no Iraque. Os portugueses, pelas informações que obtivemos, gostariam que TODA a GNR - principalmente uma tal BT - estivesse destacada no Iraque ou em qualquer lugar bem longe do país.

6 - A detonação por telemóvel é também bastante desaconselhável. Devido à quantidade de telemóveis em território português, existe o perigo real dos explosivos rebentarem em alturas menos próprias com algum dos constantes toques que se fazem ouvir a toda a hora e em qualquer lugar.

7 - Também gostaríamos de alertar para o perigo real da presença de jornalistas da televisão no local dos atentados a perguntar às pessoas o que sentem depois de terem ficado sem uma perna, com a cara desfeita ou partidos em dois. Ao pé dessa gente, a AQ é um bando de organizadores de festas de salão.
Procurem mas é outro sítio, que esse já está suficientemente rebentado.

Vosso,

Binbin

quinta-feira, março 18, 2004

Lamentável...

Lamentável ver um ex-Presidente da República (só pode estar senil) defender negociações com terroristas (um senhor cada vez mais insuportável);
Lamentável ver o triste espectáculo dado pelo dr. Carvalhas (intimamente, deve desejar e muito que tal aconteça) a responsabilizar o governo por um eventual futuro ataque da Al-Qaeda por terras portuguesas;
Lamentável ver toda a esquerda portuguesa a desculpabilizar uma organização terrorista, que mata inocentes, para colocar confortavelmente as culpas no Sr. Bush, no Sr. Blair e no Sr. Aznar (e por arrasto no Sr. Barroso também), líderes democraticamente eleitos;
Lamentável sentir que os terroristas já conseguem impor a sua vontade e balizar as próprias decisões de estados democráticos. Será que ninguém percebe que nos estão a roubar a liberdade?
Lamentável sentir a impotência europeia (proveniente da sua enorme fraqueza e de um profundo estado de decadência) face a um inimigo atroz e que a colocou já à sua mercê. Tristes tempos estes. E ainda aqui vamos.

O Blog do Caldas

Se está triste, deprimido e amargurado com a vida, anime-se!
Temos para si a solução ideal: O Blog do Caldas!!!
Um magnífico anti-depressivo, sob uma embalagem azul e amarela, que lhe alivia imediatamente os sintomas da tristeza e lhe proporciona uma imediata e infinita sensação de alegria e bem estar!
O Blog do Caldas é um medicamento à base de substâncias naturais extraídas de plantas da Linha misturadas com o puro fermento de queques.
Combinando o anedótico com o hilariante, o blog do Caldas é também um eficaz laxante. Deve ser tomado durante 5 dias, duas vezes ao dia.
Atenção: A sobredosagem do blog do Caldas pode provocar lesões cerebrais irreversíveis e delírio nos pacientes!

terça-feira, março 16, 2004

Mundo livre

No mundo livre. Em Inglaterra. Ana ia como de costume para a sua aula semanal de aerobica, quintas, as seis da tarde. Quando chegou ao ginasio a entrada na aula foi-lhe barrada. Ana tinha chegado 4 minutos atrasada. Segundo a recepcionista, Ana tinha perdido 4 minutos dos 15 minutos iniciais reservados a exercicios de aquecimento logo a sua probabilidade de contrair um acidente muscular aumentou substancialmente. Caso isso acontecesse, Ana poderia processar o ginasio, a professora e, no final da cadeia, a recepcionista que a deixou entrar. Para precaver tal situacao (veja-se, nao o acidente em si, mas o processo) a entrada e barrada a quem chegue atrasada(o) 1, 2, 3, 4 minutos… Ana pediu para reclamar. Logico que nao poderia alegar que estavam todos loucos. Como tal alegou que 4 minutos em 15 nao faria grande diferenca. Ana aguarda agora que lhe respondam. Talvez, pensa ela, ir-lhe-ao pedir uma carta do medico em que ateste a sua capacidade fisica para suportar a perda de 4 minutos em 15 de aquecimento. Mas talvez o medico nao escreva a carta. Com medo de mais tarde vir a ser processado. Mundo livre do que? Nao da insanidade e da paranoia…

Sobre os Blogs

Andamos aqui há alguns meses a falar de tanta coisa e nunca falámos sobre a "criatura".
Para dar o mote, eis a opinião de dois estudiosos da "criatura":

"The new internet subculture that has erupted around ´blogging` is particularly deserving of analysis, as bloggers have demonstrated themselves as technoactvists favoring not only democratic self-expression and networking, but also global media critique and journalistic sociopolitical intervention.
If the world wide web was about forming a global network of interlocking, informative websites, blogs make the idea of a dynamic network of ongoing debate, dialogue and commentary central and so emphasize the interpretation and dissemination of alternative information to a heightened degree".

Kahn & Kellner: New Media and Internet Activism

segunda-feira, março 15, 2004

O que eu temia

O que eu temia, quando vi as torres em Nova Iorque a cair, está a acontecer. Preparem-se que vem ai qualquer coisa estilo conflito Israel – Palestina à escala global.
Não existe forma de acabar com um movimento terrorista, a não ser, talvez, eliminando as raízes desse mesmo movimento (e aqui por raízes entende-se o apoio da população e etc. e tal). Nem é preciso pensar muito para ver que isto é verdade. ETA, IRA, Sendero Luminoso, entre outros, existem para o provar. Mas como parece-me que essa opção ainda não foi equacionada de uma forma séria convêm ir se convencendo que o terrorismo de inspiração muçulmana vai se agudizar.
Como também é obvio que não podemos crer que os EUA invadiram o Iraque e o Afeganistão pura e simplesmente por um sentido missionário de converter os infiéis às belezas e virtudes do “Mundo Livre”. Qualquer guerra é um negócio, e os americanos nunca entraram em nenhuma para perder dinheiro. A invasão do Afeganistão e do Iraque tem objectivos óbvios (e até certo ponto legítimos) de manter o Status Quo internacional por parte dos EUA.
Relativamente aos movimentos radicais islâmicos. Recordando as saudosas aulas do Moisés Espírito Santo, sabemos que infelizmente existe uma ruptura civilizacional entre o Islão e a modernidade (tal como a vemos no “Mundo Livre”) que não é fácil de ser superada. Portanto, por aqui, a coisa não vai ser fácil. Os Islão continuará a ser uma civilização de guerreiros que espalham a palavra do Profeta.
Solução?
Podemos criar um muro que separe o “Mundo Livre” do Mundo Muçulmano. Ou seja, a aplicação, em larga escala, da ideia dos Israelitas. Mas como temos interesse no petróleo do médio oriente, podemos sempre manter forças de ocupação (muito bem defendidas) somente nas áreas estratégicas (poços de petróleo e oleodutos). Ou seja, uma ocupação verdadeiramente colonialista, sem “rodriguinhos” nem “paninhos quentes”.
Vantagem: Ao menos não estamos a ser hipócritas.
Mas não me parece que isto vá resolver de todo o problema.
Uma vantagem da situação actual pode ser a ocorrência de verdadeiros investimentos na produção de energias alternativas (por parte do “Mundo Livre”), de forma a diminuir a dependência do petróleo. Estaríamos perante uma vitória do Movimento Ecologista…
Também poderíamos pensar numa nova ordem mundial e mudar isto tudo completamente. Mas só de pensar na trabalheira e no que isso poderia implicar a nível de perda de conforto por parte do “Mundo Livre”… Mais vale ir brincando ao gato e ao rato com os Kamikazes Islâmicos.
E, já agora: “Mundo Livre” do que ?

populismo e...

Populismo e... o post imedietamente em baixo do meu! A dor pela perda de 200 vidas nao cabe em palavras. Ninguem se esquece dessas como ninguem se esquece das que se perdem no Iraque, na Algeria, nas 350 vidas que se perdem por dia na Zambia pelo HIV... Nenhuma vida vale mais do que outras, assim como nao ha 'bons nem maus' terroristas... Nao se pode ter dois pesos e duas medidas, nao e verdade.

Para as pessoas mais excitadas não se esquecerem do que verdadeiramente aconteceu...



...porque sinto no ar uma estranha satisfação pela derrota da direita em Espanha. Para que se recordem que, antes de tudo, morreram 200 pessoas.

A derrota das mentiras

Quando há cerca de um ano e meio atrás se deu o desastre do Prestige, o governo de Aznar preferiu manter a distância da Galiza e do povo Galego, menorizando nos media estatais a dimensão da catástrofe e dando repetidamente conta que a situação estava controlada pelas autoridades espanholas. A verdade era outra...

Quando há cerca de um ano atrás o Governo de Aznar se acolitou à invasão sangrenta ilícita do Iraque por parte das forças americanas e britânicas, num evidente acto terrorista perpetrado por alguns Estados, alicerçada na justificação governamental avançada da existência de “comprovadas” armas de destruição maciça, na ditadura existente no Iraque e nas ligações do regime iraquiano à rede terrorista da Al-Qaeda, à excepção por todos conhecida da existência do abjecto regime iraquiano, a verdade era outra...

Quando na passada quinta-feira se deu o ataque em Madrid, o Ministro do Interior de Espanha veio prontamente para os órgãos de comunicação social, dar conta que tinha a certeza que acabávamos de presenciar, indesmentivelmente, a mais um hediondo ataque da Eta. Prontamente a Ministra dos Negócios Estrangeiros veio corroborar esta asserção, dando indicações para todos os embaixadores de Espanha “livremente” opinarem que tinha sido a Eta a desencadear o ataque. Também aqui a verdade era outra...

Ontem, a maioria dos espanhóis decidiu-se libertar de um governo cuja estirpe, visível nestes acontecimentos relatados, se sustentava na mentira aos cidadãos, na ocultação sistemática e despudorada da verdade e na manipulação dos meios de comunicação social por si controlados.

Afinal, de Espanha sempre vêm bons ventos!

A vitória do terrorismo

A derrota do PP em Espanha é uma derrota da coragem e da democracia plural face ao terror e ao medo imposto pelos grupos extremistas e terroristas. Infelizmente, a esquerda espanhola, aliada à poderosa máquina de propaganda comunicacional, soube bem tirar partido da situação e explorar a desgraça alheia, fazendo de manifestações, que deveriam ser de condenação, uma arma de arremesso político capaz de mudar a tendência do voto.
Claro que para muitos a culpa (obviamente muito mais fácil quando não se percebe a raiz do problema) dos atentados é do Bush e dos seus falcões neoconservadores e é também a paga pelo apoio de Aznar à guerra no Iraque. Outros argumentos são o novo imperialismo, o petróleo (mas alguém acredita que alguma vez os EUA vão recuperar o dinheiro que empataram nesta guerra? Ou no Afeganistão?) e outras coisas que oscilam entre o patético e o ridículo. Basta ouvir a D. Ana do PS a vociferar ou o modo dúbio como o Bloco de Esquerda reage para se perceber do que se fala.
No dia em que um partido político é penalizado por uma tomada de atitude externa face a um novo fenómeno global (e relembremos que a Espanha de Aznar cresceu impressionantemente ao longo destes últimos 8 anos), é inevitável falar de uma pequena vitória do terrorismo. A qualquer momento, basta que as coisas não estejam a correr bem (leia-se, haver um governo adverso e corajoso e com capacidade de intervir), faz-se explodir qualquer coisa para que o povo assustado mude completamente o seu sentido de voto e coloque no poder alguém mais interessante. Quem ouviu as primeiras declarações de Zapatero, reparou como ele já começou a usar o Iraque.
O que é certo é que o PP, que já não seria de Aznar, perdeu as eleições por uma infâmia. Era bom que todos percebessem que não há terrorismos bons e terrorismos maus, e que no dia em que todos vacilarmos, eles apregoarão a vitória, como neste momento airosamente o fazem. Nesse dia, lembrar-nos-emos todos desse fatídico dia 11 de Março, dia em que a Europa, livre, definitivamente mudou.

Tentacoes...

O filme Veronica Guerin nao e, de todo, uma obra prima. E interessante como informacao na medida que que descreve os ultimos dois anos de vida de uma jornalista irlandesa que e assassinada na sequencia da sua investigacao ao crime organizado na cidade de Dublin. Nada me levaria a comentar este filme nao fosse o facto de um dos criminosos ter fugido para Portugal. No final, e-nos dito que, ainda hoje (e o assassinato ocorreu em 1996), a Irlanda negoceia com Portugal a extradicao do foragido. Um amigo perguntou-me porque e que Portugal nao entregava o criminoso as autoridades irlandesas. Expliquei-lhe que segundo a Constituicao Portuguesa, Portugal nao devera extraditar ninguem que enfrente risco de pena de morte ou de prisao perpetua. ‘Mas tu nao viste o que ele fez?’, indignou-se o meu amigo. ‘Achas bem?’, perguntou-me ja colerico. Ao que eu respondi que sim. Acho muito bem. A Lei nao olha a casos particulares. A sua aplicacao e universal. Por mais comovida que eu fique com a historia da Veronica Guerin nao irei para as ruas clamar a alteracao da Constituicao. O normal nao e as pessoas matarem assim como normal nao e as pessoas serem executadas pelo sistema ou privadas da sua liberdade ate a morte. Logo, a Lei nao existe para casos abnormais, anormais ou para excepcoes. O facto de as pessoas se deixarem facilmente levar por este tipo de comocoes e que faz com que actualmente a liberdade do ser humano esteja a ser cada vez mais restringinda por um conjunto de leis que estranhamente procuram regular as excepcoes. O terrorismo e suposto ser uma excepcao. No entanto, o medo que foi incutido nas pessoas faz com que a excepcao governe a regra, fazendo de todos nos potenciais terroristas que tem de passar pelos mais humilhantes rituais nos aeroportos, estacoes de metropolitano e por ai vai. Falta-nos um pormenor: a determinacao de um terrorista ultrapassa todas essas barreiras para alem de ter ja garantida uma vitoria, a desconfiaca instalada no seio da sociedade civil. Em Inglaterra foi revelado um numero de telefone gratis: se for no metro ou no autocarro e vir alguem suspeito devera ligar imediatamente. Adivinhem de quem e que o ingles branco vai suspeitar… Quando deixamos que as excepcoes governem a regra caimos necessariamente em extremos que ja no passado conduziram a historia a pior das atrocidades. E aqui os espanhois deram uma licao ao Mundo: rejeitaram a proteccao paternalista do PP. Perderam duzentas vidas de pais, maes, filhos, avos anonimos mas votaram pela paz. A ver vamos se as elites politicas estarao ao nivel do seu eleitorado.

sexta-feira, março 12, 2004

Quem foi...


Já se sabe quem cometeu o atentado em Madrid.

a

Al-QaETA

os loucos...

Quis o destino que fosse o ser humano a viver na ilusao de que controla o Mundo e, em ultima instancia, o planeta Terra. Ou seja, quis o destino que o Mundo fosse ilusoriamente controlado por uma especie mentalmente desequilibrada… Logo o planeta Terra e, nem mais nem menos do que uma casa de loucos convencidos que nao o sao. Assim sendo, os loucos dos Americanos libertaram os loucos dos ingleses presos na baia de Guantanamo. Chegados ao seu pais, os prisioneiros foram interrogados pela secreta britanica que decidiu deixa-los todos em liberdade. Ao que parece, estas creaturas que estiveram presas durante mais de dois anos, sujeitas a torturas horrendas, sao tao terroristas quanto Tomas de Aquino. O triste e pensar que se assim e, provavelmente todos os outros que ainda estao confinados as grades da base militar Americana em Cuba tambem poderao estar inocentes. Mas os amigos dos EU sao as ilhas Britanicas… Logo, a decisao de libertar estas pobres almas nao radica na jurisprudencia ou em consideracoes mais profundas sobre direitos humanos, mas no compadrio, na irmandade anglo-saxonica. Blair apoiou Bush na Guerra, depois montou o show para a pre-campanha deste ex-alcoolico quando ele veio a Inglaterra. E como um jogo de criancas: Blair deu um pedaco de chocolate a Bush e Bush deu-lhe um sugo. Os prisioneiros libertados sao os sugos… Um dos sugos interroga-se como processar o governo dos EU mas ao que parece, tal e impossivel. Impossivel, vejam bem… Um sugo e preso mais de dois anos, submetido as vontades doentes dos mais doentes e nojentos dos seres humanos – o torturador -, e inocentado e nao pode de forma alguma processar os responsaveis. A imunidade dos EU, acobertada pela sua ex-metropole, demonstra que nao so quis o destino que o mundo fosse controlado por loucos mas, pior ainda, pelos mais loucos dos loucos…

Madrid

Perante a natureza vil e torpe dos actos praticados sobre os trabalhadores e estudantes de Madrid, cumpre-nos manifestar, com veemência, a nossa repulsa por tal barbaridade e desejar que os seus autores morais e materiais sejam rapidamente condenados pela crueldade cobarde cometida, pertençam eles à Eta, à Al-Qaeda ou à Al-Qaeda coligada com a Eta.

quinta-feira, março 11, 2004

life goes on

Se ha coisa que me irrita sao as comparacoes que o portuguesinho constantemente faz… Ja nao basta ter de ouvir a emigrantada (ui, la vai a senhora da Suica enviar um e-mail por ser chamada de emigrantada…) dizer “la na Franca…”; levamos ainda com a intelligentsia lusa constantemente a babar pelo sistema aglo-saxonico, academico e outros… Esta adulacao pela Ilha-reino vem de ha seculos e so por isso se percebe o facto de nao ter sido ainda ultrapassada… Pois nas Britanicas life goes on como noutra qualquer parte do mundo e, se querem saber, por vezes de forma bem pior. Vide o caso dos geneticamente modificados. O governo gastou milhoes de libras em consulta popular, formando comites comunitarios e por ai vai. Quase 90% da populacao pronunciou-se contra a introducao de culturas geneticamente modificadas em Inglaterra. O governo nao faz mais nada: contra os ventos da comunidade Europeia e a vontade popular, deu luz verde ao processo de plantio para comercializacao de culturas geneticamente modificadas e isto independentemente dos artigos alarmantes acerca do assunto produzidos, em catadupa, pela comunidade cientifica. Consequencias bio-ambientais a parte (que poderao ser extremamente graves), as consequencias sociais de tal medida poderao ser desastrosas. O possivel futuro cenario aponta para a monopolizacao das sementes, que serao patenteadas pelas grandes empresas como a Monsanto. Ou seja, a plantinha geneticamente manipulada esta preparada para nao dar sementinha… Logo, mesmo os agricultores que se dediquem a auto-subsistencia ficarao sempre na dependencia dessas grandes multinacionais. No futuro, quanto teremos nos de pagar para comer? Eis a questao… O exemplo que a nobre Inglaterra da e simplesmente asqueroso. A moda pegando nos paises do Terceiro Mundo (onde alias varias experiencias comecaram ja a ter lugar) estes terao de debater-se nao apenas com as farmaceuticas mas igualmente com a agro-industrias. Quanto custa viver, e afinal a questao que se coloca num futuro bastante proximo…
Por outro lado este episodio constitui um exemplo de como vai a democracia por terras do senhor Blair...

quarta-feira, março 10, 2004

Ataque a Belém

"Santana ataca Belém em Julho"

A força expedicionária, comandada por Luís Delgado, é composta por 15 chaimites PPD/PSD, 2 dos novos submarinos da Marinha (cedidos gentilmente pelo Ministro da Defesa, que continua a fazer tudo o que for preciso para derrotar Cavaco) e 350 oficiais betos da Linha, os quais terão oportunidade de estrear as novas fardas Ralph Lauren.
A acompanhar a par e passo o ataque irão estar os jornalistas de diversas publicações de referência (Vip, Caras, Lux), que posteriormente irão dar conta, sob a forma de fotografia, de todos os pormenores do ataque...

sexta-feira, março 05, 2004

Ainda o Sr. Avelino...

Um tal de Avelino Ferreira Torres fez uma birra, esbracejou, pontapeou e
vociferou contra o mundo e contra o árbitro por causa de um penalty em Marco de Canavezes.
Por momentos pensei que a birra tinha ocorrido na sede da
Associação Recreativa de Tuías, na Avenida Avelino Ferreira Torres em Tuías,
ou nas instalações do Grupo Desportivo da Penhalonga, situadas na Avenida
Avelino Ferreira Torres na Penhalonga. Mas não.
Telefonei para um conhecido, um amigo que trabalha num agente TMN no Marco, a TLCI, na Avenida Avelino Ferreira Torres e ele esclareceu-me que a peixeirada de Avelino Ferreira Torres ocorreu no Estádio Avelino Ferreira Torres.

Foi uma situação muito complicada para o árbitro. O adepto em fúria, Avelino
Ferreira Torres, queria agredi-lo mas por sorte estava lá o Presidente da
Câmara, o senhor Avelino Ferreira Torres que o protegeu do energúmeno
Avelino
Ferreira Torres e o ajudou a sair do Estádio Avelino Ferreira Torres. Eu cá
se fosse ao árbitro dava uma palavrinha ao antigo Vice-Presidente do
Conselho de Arbitragem, o senhor Avelino Ferreira Torres.
Concerteza que ele influenciará os antigos colegas para pôrem na ordem o tal
Avelino Ferreira Torres.

Consta que o director do Marco, Avelino Ferreira Torres ficou muito irritado
com o comportamento irascível do adepto Avelino Ferreira Torres e já terá
contactado um Conselheiro da Associação de Futebol do Porto, um tal de
Avelino Ferreira Torres que por sua vez terá dado pedido a um membro do
Conselho de Disciplina, Fernando Ferreira Torres, filho do dirigente local
do PP, Avelino Ferreira Torres para ter mão pesada sobre o adepto Avelino
Ferreira Torres.

O candidato à Presidência da Câmara de Amarante, Avelino Ferreira Torres,
ainda não se pronunciou. Por uma questão de protocolo só fala depois de
Deus.

A vereadora que assina de cruz...

São 10h da manhã e continuo sem ver nenhuma notícia a reportar o pedido de demissão apresentado pela vereadora da Educação e Acção Social da C.M. de Lisboa...essa mesma que assina de cruz os documentos que lhe passam pelas mãos.
Mas pronto, se calhar o problema é o meu conceito de responsabilidade dos detentores de cargos públicos. Deve ser pouco flexível...

quarta-feira, março 03, 2004

agua da torneira II...

[Desculpem la o ingles!]

Coke's pure water claim hard to swallow
By Nicola Woolcock


A TRADING standards investigation into Coca-Cola’s new brand of bottled water was started yesterday by the Food Standards Agency, which questioned the product’s claim of purity.
It said that the labelling of Dasani, which comes from Thames Water’s mains supply, as “pure, still water” could breach FSA guidelines on misleading marketing.
The inquiry was announced as consumer groups called for tighter regulation of the bottled water industry. They said that shoppers were being confused by meaningless terms on products and fooled by bogus health claims.
Dasani is produced from tap water provided by Thames Water to Coca-Cola’s factory in Sidcup, southeast London. The company claims that it uses a “state-of-the-art osmosis process” to purify the water, which sells for 95p per 500ml bottle.
But an FSA spokeswoman said: “This bottled water does not appear to follow our labelling guidance on the use of the term ‘pure’.” The FSA definition of “pure” is a single- ingredient product to which nothing has been added. Coca-Cola admitted that it adds a number of minerals to Dasani “to make it taste nicer”.
Mineral waters that label their product as pure would not fall foul of the FSA guidelines, as they are single-ingredient products. But consumers’ confusion over the difference between mineral waters and other bottled waters makes them vulnerable to being taken in by spurious claims.
According to the Consumers’ Association, mineral water must be extracted from an underground source recognised by a relevant local authority and have a constant mineral content. Spring water can have a variable mineral content and, unlike mineral water, can be treated.
Bottled drinking water covers any other water and can be treated tap water. It is the claims made by some of the bottled water companies that particularly concern consumer experts.
A National Consumer Council spokesman said: “Bottled water is no better than tap water. And brands that claim to be able to counteract osteoporosis because they are fortified with calcium are absolute rubbish.”
Waters that make claims about their properties include Liquid Oxygen. Its website describes it as “enhanced with over six times as much oxygen as normal spring water”.
“With every sip, the body takes in extra oxygen that is vital to life, health and energy. It is invaluable during air flights as it helps to minimise the effects of dehydration and low oxygen levels.”
A spokesman for Oxyvita, which makes Liquid Oxygen, said that its energy-giving qualities had been tested.
Some water experts said that it was inaccurate to assume that adding minerals to water made it healthier. A spokesman for the National Pure Water Association said: “People think its good for them but that depends on the type and amount of minerals. It could be dangerous if levels are too high. A lot of health claims made by water companies are bogus.”
A spokesman for Coca-Cola said: “We work closely with all regulatory bodies and in this instance we are fully satisfied that we are compliant with all guidelines and regulations.”

terça-feira, março 02, 2004

So uma perguntinha...

Ep... o Bruno, disseste Avelino Ferreira ou Alberto Joao? Ahhh, ok, cacique na Madeira tera outro nome... E justo, e justo.

O Sr. Avelino

O Portugal que se diz democrático convive bem com os seus caciques locais, como disso é bom exemplo a sã coexistência com o Sr. Avelino Presidente da Câmara de Marco de Canavezes, futuro candidato a Presidente da Câmara de Amarante.
O Sr. Avelino costuma resolver os seus problemas mais íntimos à bofetada, à cabeçada e ao pontapé, consoante a vítima e a sua boa ou má disposição. É assim desde que é presidente do sítio onde as obras mais importantes têm o seu nome.
A sua mais recente aventura mete-o num campo de futebol a dar pontapés às coisas e a tentar chegar a vias de facto com o árbitro de um jogo de futebol, perante a incredulidade e mal-estar da GNR. A televisão mostrou tudo.
O espectáculo de circo já é sobejamente conhecido. O protagonista também e de há décadas. Resta perguntar: quando é que se põe cobro a vergonhas desta natureza? Que Portugal é este que permite que gente sombria como o Sr. Avelino seja Presidente de uma Câmara e continue impune a fazer o que faz?

??!!!!!

É caso para gritar:"VÃO-SE FODER CABRÕES DE MERDA!!!!"

Coca-Cola vende agua da torneira

Ha 15 dias a Coca-Cola lancou agua engarrafada. No Reino Unido a marca e denominada de DASANI. As instituicoes de ensino em Inglaterra foram literalmente obrigadas a retirar dos seus pontos de venda outras marcas e a comprar somente DASANI (ja para nao falar das grandes superficies). Varias pessoas reclamaram imediatamente, nao tanto pelo facto da agua ser distribuida pela Coca-Cola, mas por saber a agua sanitaria… Acontece que hoje veio a publico que a agua engarrafada pela Coca-Cola nao e senao agua da torneira! Meus caros amigos, isto parece surreal, mas esta a acontecer. O poder desta multinacional e tal (sobretudo em paises como o Reino Unido e os Estados Unidos) que o publico, mesmo que nao queira, anda a pagar a Coca-Cola agua da torneira e tao pouco tem a opcao de escolha (uma 'pint' de agua da torneira custa 0.03 pence, uma pint de DASANI custa 0.95 pence). Obviamente que o assunto nao ira ficar por aqui porque as pessoas entretanto comecaram a mobilizar-se. No entanto este ‘post’ serve como advertencia: se tal acontecer em Portugal, por favor, mobilizem-se!

segunda-feira, março 01, 2004

Um Oscar bem entregue

Sean Penn

Erros de casting

Em maré negra, os dois maiores partidos do país, um deles anexado a uma coligação absurda, andam à volta de pessoas sem a mínima capacidade de mobilização eleitoral para as eleições europeias de Junho.
No PS, Sousa Franco, que só podia ser uma piada de mau gosto, é, afinal, mais um erro profundo e um trunfo valiosíssimo para a guerra intestina que mina já o PS, a braços com uma evidência: a inexistência, como se verá na noite de 13 de Junho. No PSD, o nome de Leonor Beleza, nome mais provável, é uma manifesta desistência e deserção do assunto em questão, e de como o mesmo é desvalorizado pelo Dr. Barroso.
Os dois partidos, mais o parasita da coligação, esquecem-se que com escolhas de segunda e sem carisma estão a beneficiar os partidos perigosos e antidemocráticos como o do Dr. Monteiro (que anuncia pateticamente quanto vai gastar com o assunto) e o do Dr. Louçã e dos seus apaniguados, que já se imaginam, entre um charro e outro, a liderar novo processo alter-globalização a partir de Bruxelas. Depois não se queixem de que o povo ficou a ver a bola.

69

"Riqueza produzida na Grande Lisboa foi 69 por cento superior à média nacional"

Com este simbólico número, dissipam-se as dúvidas sobre o que é que o centralismo lisboeta têm andado a fazer ao resto do país...